Sinopse

Quanta culpa cabe em um coração. Que mal viveu e que sofreu. Teu corpo quente encontra o meu. Me nega. A linha do céu do meu querer, minha vontade de você te nega. Arranha a noite, o açoite no fundo do peito, saudades que não tem mais jeito e a voz é noix, é noix, já não sabe ser feliz ?! O amor não é imaginário, é entrega. Se nega, me nega, intera, alterna a entrega à.

Atuação: Ariane Hime e Sol Miranda Música: Beá

Crítica

A quinta performance, Nem o verbo…, de Ariane Hime e Sol Miranda, intensa e dolorosa, despertou uma emoção comum nos espectadores: o sentimento de impossibilidade expressar o amor. Remetendo à discussão feita por Bell Hooks sobre afetividade negra, percebe-se como um traço a dificuldade coletiva em exprimir afetividades. Afeto é uma palavra que significa emoção, ao mesmo tempo que denota toque e movimento, e nesse contexto de maafa, é necessário esse affectus, para que se rompa com o ciclo de solidão e depressão que nos determina.

Por Aza Njeri

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *