Sinopse

No ano de 2014, em São Paulo, um pai comprou tênis à vista para os filhos, mas foi tratado como ladrão e deu uma aula de resistência negra para a PM. O pai dos garotos mostrou a nota fiscal dos tênis que havia comprado a vista. Cheio de revolta e desespero, ele informa aos policiais racistas que seus filhos são trabalhadores e estudam. Um vídeo tornou- se viral, mostrando a abordagem da PM, com o padrão de seu cotidiano violento – primeiro humilha, julga, violenta, para depois descobrir que as vítimas do racismo institucional não eram os supostos ladrões.

A performance é inspirada nesse fato, onde discute o racismo estrutural e institucionalizado no Brasil. Fato estabelecido desde a colonização portuguesa.

Texto e Atuação: Rodrigo França

Música e execução musical: João Vinícius

Crítica

Em seguida, a performance Nota fiscal, de Rodrigo França, nos relocaliza. Inspirada em um caso real e, iniciada com um relato em vídeo, a performance coloca o dedo na ferida e esbraveja o testemunho de um pai negro que precisa provar que o filho, um jovem também negro, não é um ladrão. A cena aponta, portanto, para a experiência de homens negros que sempre precisam provar sua inocência diante do senso comum que indica a todo tempo a sua periculosidade. Não é somente ter que mostrar a nota fiscal, mas também não correr na rua pelo mesmo motivo, ver pessoas segurando suas bolsas quando passa, não falar alto para não ser entendido como ameaça, não portar nenhum objeto que possa confundido com uma arma, desde um guarda-chuva até mesmo uma furadeira.

Por Aza Njeri

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *