O projeto Segunda Black é feito desde 2017 e reúne desde então uma equipe responsável por sua construção. Formada por artistas, produtores, curadores e técnicos negros, o coletivo se viu mobilizado por um objetivo comum: criar uma ação artística, onde artistas negros apresentassem seus processos criativos, se conhecessem e através de um olhar crítico de um intelectual ou artista também negro, estabelecessem um diálogo positivo e construtivo sobre a arte negra contemporânea na cidade do Rio de Janeiro. 

Alessandra Costa

Formada em Jornalismo, atua desde 2002 no mercado de assessoria de imprensa. Iniciou sua trajetória na Distribuidora de Filmes S/A – RioFilme. Tem em seu histórico pesquisa e apoio a publicação do Guia de Produção Audiovisual do Rio de Janeiro/Film Production Guide/2004. Trabalhou com Ivone Kassu e em 2012 desempenhou trabalhos em assessoria de imprensa de grandes destaques na cena teatral brasileira. Em 2015 abriu a Duetto Comunicação – assessorando títulos importantes como “Mercedes”, Race”, Oleanna”, O Pequeno Príncipe Preto”, documentário “Cidade de Deus – 10 anos depois”, “Oboró – Masculinidades Negras”, Negra Palavra Solano Trindade” e projeto “Quanta Energia” – entre outros. Assessora o Centro Cultural Light – Museu da Energia e programa educativo, além do Centro Afro Carioca de Cinema. 

Aza Njeri

É doutora em Literaturas Africanas/UFRJ, pós doutora em Filosofia Africana/UFRJ, pesquisadora de África e Diáspora (cultura, história, literatura, filosofia, teatro, artes e mulherismo africana) , professora universitária, multiartista, crítica teatral e literária, mãe e youtuber (youtube.com/azanjeri)  

Cláudia Barbot

Atriz, produtora, cantora e comunicadora gaúcha. Tem 12 anos de palco, somando, entre performances, espetáculos e espetáculos teatrais musicais quase 25 trabalhos. No audiovisual atuou em 5 curtas, e fez participações em novelas minisséries. Além do longa-metragem “Contos do Amanhã” (Pedro Marques) que está em fase de finalização. Entre os curtas está “O Vazio do lado de Fora” (Eduardo Brandão P/2017) que integrou a Seleção Oficial do Cinéfondation no Festival de Cannes 2017. É formada em Comunicação Social, Publicidade e Propaganda pela UFRGS e trabalhou na produção de diversos festivais, como o Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul, Porto Alegre em Cena, Feira do Livro de Porto Alegre, Tempo Festival, FIL e outros. Chegou ao Rio de Janeiro em 2012. Atualmente é integrante do coletivo Confraria do Impossível e da produção do movimento 2a Black, vencedor do Prêmio Shell de Teatro na categoria inovação.

Diogo Nunes

Ator, fotógrafo, dançarino, oficineiro, produtor e videomaker. Graduando em Licenciatura em Teatro pela UNIRIO – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Formado em Artes Dramáticas pela Escola Técnica de Teatro Martins Penna.

Giulia Santos

Atua como designer no Data_labe e Grupo Emú. Em paralelo, ilustra e faz animações da sua persona em diversas situações para o instagram. Foi convidada a ilustrar o livro infantil “Mari, a sementinha” (2018). Também Assata Crew (2018) e o Preta Pinta Preta (2018).

Leandro Cunha

Artista visual, morador do subúrbio da cidade do Rio de Janeiro. Por sua produção artística estar fundada nas culturas tradicionais africanas, as comunidades-terreiro de candomblé tornam-se espaços onde está fundada a visão de mundo do artista.

Licínio Januário

Ator, roteirista e cineasta. Nascido em Angola, há 10 anos vem construindo uma grande carreira em diferentes setores  artísticos no Brasil. como Dramaturgo e ator atua nos palcos do Rio de Janeiro e São Paulo, colecionando o prêmio de melhor ator no Festival de Teatro do Rio de Janeiro (2015) e o Prêmio Shell na categoria inovação (2018) pela curadoria e produção da Segunda Black. Licínio é um dos fundadores do Coletivo Preto, que tem como objetivo contribuir através de novas narrativas, com uma nova visão do protagonista negro no teatro e audiovisual brasileiro. Criador do selo Tela Preta TV, responsável pelo desenvolvimento e pela produção de diversos conteúdos protagonizados por negros. Licínio coleciona inúmeros argumentos de séries e filmes, destacando-se o longa metragem “Lívia”, a série “Malandragem”, que estão em fase de negociações. Dos roteiros produzidos destaca-se o curta metragem “A Namoradeira”, no qual assina o roteiro e a direção. Curta selecionado para Festivais internacionais como “Rome Independent Prisma Awards”, o ARFF Barcelona International Awards” e o renomado  “Encontro de Cinema negro Zózimo Bulbul”.

Paulo Mattos

Graduado em administração pública, desde 2000, dedica-se a produção cultural, tendo  sido produtor da Companhia dos Atores, do Grupo XIX de Teatro entre outros. Idealizou o projeto Arte da África Cinema e Teatro no CCBB Rio, foi gestor da área de cultura do Sesc RJ por seis anos. Atualmente é produtor independente, sendo um dos responsáveis pelo projeto 2a Black, que  objetiva estabelecer  um debate crítico sobre a Cena Preta no Rio de Janeiro. O projeto foi ganhador do prêmio Shell 2019. É também curador tendo sido membro de comissões de seleção de projetos como o Rumos Itaú Cultural.

Pedro Carneiro

Desenvolve em seu trabalho questões relativas às relações humanas e raciais em conflito nos espaços urbanos. É através de pinturas, intervenções territoriais e espaciais, desenhos e light design que seus trabalhos constróem uma imagem em reflexo à histórias reais/irreais tendo como ponto de partida o reencontro com sua ancestralidade, buscando o seu entendimento como indivíduo negro na sociedade atual. Revela-se a dicotomia muitas vezes invisibilizada pelo silêncio que é imposto a população negra, fazendo-os esquecer de suas alegrias e do seu AXÉ. Os trabalhos surgem da ruptura e do confrontamento do artista com os impactos visuais e sonoros. É através de signos da cultura pop mescladas com imagens da herança diaspórica afro-latina que Pedro Carneiro compõe sua obra. Ao longo de sua trajetória, realizou trabalhos no Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná, Pernambuco, Bahia e Mindelo (Cabo Verde). Colaborando com artista como Rodrigo França, Mateu Velasco, Paulo César Medeiros, Nicolau Mello entre outros.

Reinaldo Junior

Artista premiado, fundador da Confraria do Impossível, Grupo Emu e Segunda Black. Residente Colaborador do Terreiro Contemporâneo. Curador do Primeiro Teatro Negro do Rio de Janeiro Sala Chica Xavier e da Segunda Black. 

Renata Araújo

Coordenadora de Produção Cultural do Grupo Emú. Bacharelado em Dança na UFRJ, sindicalizada pela dança Afro brasileira, Integrante da Cia. Folclórica do Rio e do Projeto  Segunda Black. Produções e espetáculos: Olhos d’água, Mercedes, Mostra Ultrajado, Segunda Black (Prêmio Shell de Teatro, categoria Inovação em 2018), Nem um verbo , Cadiquê, Favela Rouge, Favela Força, Festival Floriade- Venlo, Holanda 2012. Intercâmbios em Tilburg e Rotterdam, Holanda, Johanesburgo, África do Sul e em Nairóbi, Quênia.

Rodrigo França

Artista premiado, fundador da Confraria do Impossível, Grupo Emu e Segunda Black. Residente Colaborador do Terreiro Contemporâneo. Curador do Primeiro Teatro Negro do Rio de Janeiro Sala Chica Xavier e da Segunda Black. 

Simone Braz

Produtora Cultural e Comunicóloga pela Universidade Federal da Bahia/UFBA e Mestre em Relações Étnico Raciais (CEFET-RJ).  Diretora da Simone Braz Produções com foco em gestão de projetos culturais, artísticos e sociais. Atua como Produtora Cultural nas etapas de pré, produção e pós de projetos e eventos. Na gestão atua no planejamento financeiro e organizacional, assim como na mobilização de recursos e prestação de contas. Assinou a produção e gestão de trabalhos como: Segunda Black (Prêmio Shell de Teatro, categoria inovação 2018 e Prêmio Questão de Crítica 2018); Encontro de Cinema Zózimo Bulbul 2018; Prêmio Afro 2017; Gestão Cine Teatro Solar Boa Vista 2014 – 2016; Gestão de projetos Grupo Emú; Gestão de Produção Coletivo Confraria do Impossível.

Sol Menezzes

Atriz, produtora e coach de atuação. Natural de Porto Alegre e vinda de uma família de artistas, começou no teatro aos 8 anos de idade. Hoje, com 24 anos, está atuante no audiovisual como a série Irmandade da Netflix, série Desnude do canal GNT, e mais 2 longas metragens com estreia marcada para 2020, além de participações em novelas e espetáculos teatrais.

Sol Miranda

Formada em Letras, é atriz, produtora e consultora artística. Co-fundadora da Cia Emú de Teatro e do Grupo Emú, co-idealizadora do Projeto Segunda Black, projeto vencedor na Categoria Inovação pelo Prêmio Shell de Teatro e Idealizadora da Mostra Ultrajado – Uma Ocupação Negra (Prêmio Questão de Crítica). Sol também se aventura como consultora artística e de projetos culturais. Tem em sua formação contribuições da Amok Teatro, Carlos Simioni (APA), Mona Lazar, Charles Nelson, Fabiano de Freitas, Domingos Oliveira, entre outros. No cinema, terá sua estreia no filme Regra 34 de Julia Murat, no papel protagonista.